sábado, 30 de agosto de 2008

Dilemas da madrugada...

Estar à mijinha para rascar* e ao mesmo tempo estar quentinha, quentinha nos lençóis e cheia de preguiça para sair de lá...

O que fariam?

* nem acredito que escrevi isto aqui...

sexta-feira, 29 de agosto de 2008

Amanhecer

A vida tem destas voltas estranhas
Que te confundem com as suas manhas
Faz-te tantas vezes perder o Norte e a razão
E crava as garras no teu coração
Não pede desculpa, não pára pra ver
Ouve um dos teus sonhos até te perder
Faz-te tantas vezes sentir o dono do mundo
E de repente deixa-te só
A vida tem destas voltas estranhas
Onde te prendes e te emaranhas
Faz-te tantas vezes rodar como um peão
E crava as garras no teu coração

Mas depois, pra te consolar
Dá-te o céu e as estrelas, o calor e o mar
Faz-te sonhar e faz-te morrer
Mas deixa-te sempre
Mais uma vez
Sarar as feridas
E amanhecer

A vida tem destas voltas estranhas
Que te confundem com as suas manhas
Faz-te tantas vezes perder o Norte e a razão
E crava as garras no teu coração
Não pede desculpa, não pára pra ver
Ouve um dos teus sonhos até te perder
Faz-te tantas vezes sentir o dono do mundo
E de repente deixa-te só

Mas depois, pra te consolar
Dá-te o ceu e as estrelas, o calor e o mar
Faz-te sonhar e faz-te morrer
Mas deixa-te sempre
Mais uma vez
Sarar as feridas
E amanhecer

Lamber as lágrimas
Sarar as feridas
E amanhecer

Amanhecer - Susana Félix

Gosto muito desta música, ou melhor, desta letra (porque ainda não sei se a música será a ideal para a letra...). Talvez porque exprime muito bem o que se passa na vida... E talvez porque fala daquele conceito tão especial e essencial em tudo: a esperança!

quinta-feira, 28 de agosto de 2008

Se Maomé não vai à montanha...

Deliciem-se...
A imaginação é uma coisa fantástica, não é?


Numa praia de Albufeira, há uns meses atrás...

quarta-feira, 27 de agosto de 2008

Ando a modos que...

Cansada...

Os meus pensamentos andam em stand bye... Ando meio avariada... A cabeça está a dar o berro... E não consigo fazer coisas exigentes, como escrever um post decente (se é que isso já aconteceu alguma vez)...

Já tive algumas férias este ano, mas de férias a sério, como eu sonhava ter, tiveram pouco... E não sei ainda quando terei mais...

De qualquer modo, a melhor forma de ter férias, para mim, acho que seria mesmo tirar a cabeça e enviá-la para bem longe...

Mas que é que posso fazer, desconfio que depois seria um cenário não muito bonito...

sábado, 23 de agosto de 2008

ditos e expressões #1

Alguém sabe o que é um cacaréu?

sexta-feira, 22 de agosto de 2008

pensamento #2

"sem ter defesas, que me façam falhar"...

diz a Mafalda Veiga e gostava de o dizer eu...

e não me apetece comentar mais nada, por agora...

Coisas de tia!

Esta é a tia Eva... aos olhos da minha sobrinha, de 3 anos! (Pode dizer-se que até não está muito diferente :P) São imagens como esta, que me enchem de orgulho e me deixam uma lagriminha no canto do olho... Um apertozinho no coração!

Eu ADORO os meus sobrinhos!

Adoro aqueles momentos em que posso estar com eles! E se brinca imenso... Na verdade, quando se juntam os dois (também tenho um sobrinho de 4 anos), fazem de mim um autêntico boneco! Mas nem é preciso juntarem-se os dois para isso acontecer... Basta um... Embora a educação seja obrigação de todos eu, como tia, posso aproveitar as coisas boas e deixar o resto para os pais!!! Eh, eh... Às vezes ralho com eles, mas também, não me vale de muito... levam tudo para a brincadeira e eu não me consigo conter, derreto-me toda... Mas tudo dentro dos limites, claro está!!!

E as brincadeiras continuam... e prolongam-se! E farto-me de rir com as grandes calinadas e raciocínios que fazem. Por vezes até fico perplexa com o desenvolvimento deles!!!
E quando me enchem de beijinhos e abraços? E quando me fazem prisioneira nas brincadeiras? E quando me chateiam até não haver amanhã???

Pois é... tia sofre!!!

Mas eles são duas pedrinhas preciosas, que guardo sempre no meu coração, e me deixam sempre a sorrir!!!

E é também neles que penso... E é também por eles que quero andar mais feliz e contente, pois dão-me motivos para isso!!!

Obrigada por existirem :)

quinta-feira, 21 de agosto de 2008

E não é que...

Os pedidos de ideias para a prendinha deram frutos!!! Já está! Uma mala toda xpto e mais umas mariquices, típicas de amigas, que também só as amigas compreendem!!!
É assim!
Gostei muito das vossas ideias e já sei a quem recorrer para as minhas prendinhas de Natal!!!

terça-feira, 19 de agosto de 2008

help...

Eu sou sempre a mesma coisa... mas sempre. É que não há modo de aprender...
Ora bem... uma das minhas melhores amigas faz anos esta semana!!!! Eu sempre soube disso... pelo menos desde que a conheço e já lá vão uns bons anitos! Mas acontece que não faço ideia do que lhe hei-de oferecer... E penso, penso... depois canso-me de pensar e... acabo por me esquecer de voltar a pensar no assunto... até que se chegam as vésperas do dia e entro em pânico... o dia está a chegar muito depressa!!! E especialmente quando a minha outra amiga, com quem vou dar a prenda, está na mesma situação que eu. Amigas desnaturadas, pensam vocês! E por um lado é verdade, mas é só nas prendinhas!!! Porque de resto somos umas jóias. Mas também, porque não queremos dar qualquer coisa, só por dar! A prenda deve ser especial, útil e carinhosa!

Alguém tem alguma ideia???

Eu já pensei nuns tijolitos para a casa nova dela... mas parece-me uma opção um bocado estranha... Se bem que é o que mais falta lhe faz agora...

Obrigada pelas vossas preciosas sugestões!


(Ah, vai fazer 25!!!)

segunda-feira, 18 de agosto de 2008

1º pensamento do dia...

Chuva em Agosto deve deixar o people mal disposto.

domingo, 17 de agosto de 2008

Não consegui encontrar um título à altura da estupidez deste post...

Por vezes, certas situações fazem-me rir... e o (sor)riso prolonga-se... especialmente quando me lembro delas.
Mesmo que vá na rua e me vá a rir e faça um bocadinho figura de parva.
Mas não me importo, porque cheguei à conclusão que não é preciso beber Frize para ser uma portuguesa felize...

sexta-feira, 15 de agosto de 2008

Afinal?...

Os opostos atraem-se.
Mas, os gostos em comum também são um factor de atracção entre as pessoas...
Em que é que ficamos?

cá para mim, ficamos na mesma como a lesma...

quinta-feira, 14 de agosto de 2008

Vou começar...

... a acreditar em todas a coisas boas que me dizem!

As más, vou ponderar se acredito ou não!

Tenho dito.

Inimigo nº 1

... o aspirador...



(só e exclusivamente quando se lembra de começar a trabalhar, quando ainda se está a dormir... e eu não me levanto assim tão tarde... )

quarta-feira, 13 de agosto de 2008

Questões de interpretação...

Uma coisa que me intriga é precisamente quando se fala na interpretação de sinais.


Todos os dias em todas as situações poderemos encontrar sinais. Mas nem sempre os vemos…

Ah, não viste os sinais... ou, Tens tudo à tua frente, só te falta ver os sinais...

Mas quando os vemos, como poderemos saber se os estamos a interpretar de modo correcto? Como saber se não estamos a dar demasiada atenção a sinais “falsos”… ou a interpretar como sinais aquilo que não o é?

Interpretar os sinais para a vida não nos passar ao lado? É que depois da oportunidade passar, passou… Não é assim?

Sei que é um apergunta sem resposta, mas se alguém souber a "dica" chave e quiser partilhá-la, está completamente à vontade! Deve haver muita gente a agradecer...


imagem daqui

terça-feira, 12 de agosto de 2008

Estar...

... ao som das músicas preferidas...
... na calma da noite a ver as estrelas...
... durante o dia, ao quentinho do sol...
... a fazer bolinhas de sabão...
... a rir por tudo e por nada...
... a passear à beira mar...
... a comer gelado...
... a ler um livro emocionante...
... a ver um filme bonito...

(...)

Tudo isto na melhor companhia... nem sabem o bem que me faria!!! :)

domingo, 10 de agosto de 2008

Paz Aparente

Não gosto de ver as pessoas tristes... Ninguém gosta. Tal como não gosto de estar triste durante muito tempo. Faz-me muito mal à alma e ao corpo... A tristeza traz coisas más... pensamentos maus que nos deitam abaixo. Sei do que falo. Até há uns tempos, andava muitas vezes triste... ou tinha dias... E o que vinha à cabeça era, nada mais, nada menos que todas as minhas frustações... De manhã só apetecia ficar deitada... E quando me levantava, parecia que tinha sido atropelada por um camião, tal era o atrofio muscular... pensei que fosse alguma carência alimentar (algum nutriente que me estivesse a faltar)... associada, claro está, a uma carência afectiva (mas isso são outras conversas...)... Fazia o trabalho na loja (que felizmente existe e me obriga a sair de casa e a ver gente), mas o restante trabalho (mais vocacionado para a minha área de formação e que, em parte, consigo fazer em casa) ficava um tanto ou quanto esquecido... As coisas não rendiam muito... o tempo passava sem eu conseguir fazer nada de jeito. Tudo isto era uma bola de neve que se tornava cada vez mais pesada... a contribuir para o aumento da minha fraca auto-estima...

Mas um dia percebi... e decidi proibir-me de voltar a ter esses pensamentos derrotistas. Não podem voltar, ou pelo menos, permanecer durante muito tempo...

Disse-lhes NÃO. E voltarei a dizer se me voltarem a chatear...

Percebi que estas lutas que travava com a consciência, apesar de fazerem falta especialmente nos momentos de recolhimento e reflexão, estavam a assumir proporções demasiado grandes e que não estava a conseguir comportar...

E desde aí sinto-me muito melhor... e lembro-me disso, nos momentos menos bons. Foi algo que aprendi sozinha... mas que ficou bem apreendido!

Assim o espero!

No entanto, ainda tenho algumas dúvidas na forma como disse esse não... Um dia li qualquer coisa onde o termo "paz aparente" estava mencionado. Na altura encaixou-se que nem uma luva... E permanece gravado na memória... Tenho um certo receio que esta "paz aparente" um dia rebente, se dissipe e me volte a atirar ao tapete...

sábado, 9 de agosto de 2008

" Ó tia...

- ... devia haver um robot que te fizesse o trabalho, para assim poderes ir brincar comigo..."

Foi o que o meu sobrinho de 4 anos me disse hoje. E tem toda a razão! E só me apeteceu enchê-lo de abraços e beijinhos...

As crianças realmente sabem o que é importante!!!

quinta-feira, 7 de agosto de 2008

teorias do amor...

Hoje andei por aí a actualizar as minhas leituras e, mais uma vez, encontro várias teorias sobre o amor... É normal que o ser humano tente teorizar os assuntos que lhe fogem da razão. Desta forma, quando o conseguir fazer, conseguirá dominar uma matéria complicada e, passar para outra... (também não sei o que pode ser mais complicado do que o amor mas, adiante...)

O que me parece é que, por mais experiências que se tenham, ou não, o amor será sempre uma coisa nova, em constante mutação... e indefinição (e, nisso, estamos todos em pé de igualdade). É daquelas coisas que quando se pensa que se chegou lá... afinal, ainda havia mais uma série de páginas a ler... ou a escrever... mais um caminho a percorrer...

Porque cada um tem a sua própria definição de amor... cada um tem a sua maneira de ser... cada um tem a sua verdade...

E o amor acaba por ser isto... a busca. E por mais "pancada" que nos dê, continuaremos a procurá-lo, porque é o que nos faz Viver, dia após dia, na esperança de O encontrar...


E aqui fica mais uma teoria... a minha teoria de hoje. Amanhã, logo se vê qual será!
imagem, daqui

Amor canino...

Ontem, ia eu muito bem a sair de casa para ir trabalhar quando, ao subir uma rua para contornar a casa e seguir viagem, vejo um casal de cãezinhos no meio da estrada, numa "dança" um tanto ou quanto estranha... Tive de parar, à espera que saíssem da frente... E não é que o raio da "dança" se transformou num acto de "fazer caezinhos bebés"!? Ali. Mesmo à minha frente... E eu com o tempo contado... E a pensar, e agora, quando é que isto acaba?
Mas o "acto" foi rápido... muito rápido, aliás... Saíram da frente e eu segui viagem...
Cá para mim, desconfio que os pressionei... certamente estava a mais naquela cena de amor canino... e agora sinto-me culpada, por ter aparecido à hora errada, no local errado, e ter interferido na "confecção" de uma nova geração de cãezinhos vadios que certamente muito felizes iriam passear pelas ruas da minha humilde terra...

Não há direito.


E se o "acto" tivesse sido mais longo? Que justificação iria dar no trabalho, se chegasse atrasada?

terça-feira, 5 de agosto de 2008

Ai a maldita...

video

... força da gravidade...

Com som! [a pedido de alguns ;)]

domingo, 3 de agosto de 2008

Simplesmente...

... porque este blogue poderá ser o meu espelho interior... onde virei rir, chorar [algo que não faço há séculos :( e sinto falta], e falar sobre assuntos meus... que, quem sabe, não se refletirão nos teus/seus?
As "máscaras" que nos revestem dia-a-dia, não nos deixam ver o mais belo e puro que as fragilidades interiores podem compreender... o mundo real não o permite...
Aqui, neste mundo, que me sinta livre para o fazer...


Obrigada a todos os que, até agora, me acompanharam até aqui :)

sábado, 2 de agosto de 2008

Fez-se luz... e o adeus chegou

Relativamente ao assunto do post anterior, posso dizer que andei o dia todo meio "nervosa" e estranha. Um friozinho na barriga... que, confesso, já me estava a irritar. O dia passou, fui dormir... Geralmente, de manhã, quando acordo mais cedo, tenho o bom...(ou mau!) costume de ficar a pensar um pouco na minha vida (e os pensamentos fluem muito mais naturalmente)... foi o que aconteceu... Finalmente percebi o que eu já sabia, mas que só agora se revelou e pude interiorizar...
Quando se passa a primeira vez pelas situações, tudo é novo... Embora se queira muito uma coisa, a insegurança também é grande, e poderemos sempre pensar que não fizemos o suficiente, ou que não sabemos fazer as coisas... E que por isso, seremos culpados das situações! Ora, o motivo da minha revolta prende-se precisamente com a minha primeira relação a dois, se é que lhe poderei chamar isso...
Ele surgiu de repente na minha vida, caído do Céu... Conhecemos-nos sem intermediários nenhuns, por motivos meramente profissionais, ou quase, poderei assim dizer... No dia do primeiro encontro, eu convenci-me que não iria sentir nada, não se iria passar nada e iria ser eu própria... (é que quando fico nervosa, mascaro a minha maneira de ser, e a timidez arrasa-me)... (agora já estou melhor, atenção!) Tudo se passou bem... consegui não sentir nada e tudo ficou controlado!
Continuámos a encontar-nos, pois ele era de fora e tinha ido estudar para a minha cidade, precisava de orientações... Além disso, poderia surgir uma boa relação de amizade! Eu acredito, ou tento acreditar, que duas pessoas de sexos opostos possam simplesmente ser amigas sem vir misturar sentimentos mais profundos... ou pelo menos seria uma forma de ter a situação controlada...mas sou ainda muito ingénua.
E assim, o tempo foi passando, as coisas foram acontecendo, devagar... e naturalmente. Gostavamos da companhia um do outro... e aos poucos as coisas começaram a querer acontecer... Mas, nas minhas defesas, pus-lhe travões... e fugia a cada investida, não por vontade, mas por instinto... O tempo (meses) foi passando, sentia-me muito bem com ele, mas não sabia bem o que chamar ao que estava a sentir... nunca imaginei bem o que é ser desejado, nem nunca pensei que isso se pudesse passar me relação a mim... consequentemente, acho que nunca consegui confiar totalmente... eramos diferentes... eu sentia-me insegura... Até que um dia, acabei por deixar acontecer... mas o nosso primeiro beijo, foi também o último... quando me consegui começar a entregar ele quis mais... foi o fim, no começo...
O tempo foi passando... tentei sempre manter contacto... mas as respostas começaram a escassear... a tardar, a deixar de vir... tudo isto após me ter dito que estaria sempre disponível para ser meu amigo... Eu acredito que a amizade é possível, mesmo após as relações. Há sempre algo de bom nas pessoas, que nos fez gostar delas e que não desaparece de um dia para o outro. Isso pode ser aproveitado e, se as coisas não dão certo num sentido, poderão dar noutro! Não me faz sentido o adeus para sempre, sem qualquer explicação, e pelo menos nesta situação em que nada de muito grave se passou...
Fiquei angústiada, sem perceber o que tinha realmente acontecido... correu mal muito por culpa minha (com esta idade já deveria ter alguma escola, não é o que se diz? - apesar disso não me importar nem um pouco)... mas também percebi que se ele gostasse realmente de mim... teria esperado, até porque nunca lhe disse definitivamente que não...sentia um carinho muito grande por ele...
Passaram mais de 7 meses... eu tentei esquecer... mas nunca percebi realmente este afastamento súbito... Até que agora, vindo do nada, voltou a falar comigo e a perguntar se eu estava bem, o que andava a fazer... que acreditava que eu ia conseguir os meus objectivos, etc, etc... Eu não percebi o porquê deste ressurgimento das cinzas... mas ele não me foi nada indeferente, quando eu pensava que fosse ou queria que tivesse sido.
Deu para perceber que afinal não está "zangado" comigo... eu também não estou "zangada" com ele, nem nunca estive... apesar de, na altura, me ter sentido magoada com a situação...
Agora, parece que saiu um peso de cima de mim... ele está lá (longe) na vida dele... eu estou na minha... já não sinto aquela tentação de falar com ele. Se ele falar, tudo bem, vou levar isso na desportiva...

Estou mais calma e serena...

As boas recordações vão permanecer... mas não passarão disso... as recordações da primeira vez que me senti especial e que a minha vida poderia estar a mudar...

C'est fini...

Após este post, sinto-me meio "despida"... postei-o e apaguei-o, mas ele voltou... foi necessário para por mesmo um ponto final nisto tudo.