segunda-feira, 9 de novembro de 2009

The doors...



Quando agora vim trabalhar para Lisboa, fiquei a viver com uma amiga, blogosférica e agora bem real, que teve a gentileza de me abrir as portas da sua casa. Nunca será demais agradecer-lhe por isso!

A mudança foi feita e ficou tudo nos conformes.

Como é natural, comecei a fazer a minha vida, e saí da casa nova para tratar de uns assuntos. Quando regresso e tento eu abrir a porta pela primeira vez, não consigo! A chave parece que não funcionava, ou era mesmo eu que não lhe estava a dar o jeito certo. Isto fez-me lembrar no meu "trauma" em abrir portas que não conheço, precisamente porque não consigo dar o jeito correcto à chave e, como em tudo, também há portas com manias. Gosto sempre de experimentar abrir as portas primeiro, com alguém que as saiba abrir por perto, para me ensinar caso eu não consiga. Neste caso concreto, esqueci-me de ensaiar previamente, e não havia modo de conseguir abrir a porta, porque chegava a um determinado ponto e a chave não rodava mais.

Pronto, pensei eu. É sempre a mesma coisa. E agora? O que é que eu faço. Até aposto que é azelhice minha. Não vou incomodar ninguém por causa disto. Prefiro esperar... que vergonha :S

Entretanto passa uma vizinha do prédio e começámos a falar, até que ela lá tentou abrir a porta, mas sem grande fé, porque eu também não tinha conseguido, mas nisto faz-se click e, como por magia, a porta abriu!
Depois, lá tentei eu abrir e o grande segredo era, nem mais nem menos, que fazer mais força com a chave! Força que eu não tinha feito, com receio de a partir.

Isto fez-me pensar em quantas portas da vida eu não abri, por medo de partir alguma coisa...
Por vezes,se calhar basta ser mais insistente, fazer mais força, porque nem tudo é assim tão frágil como poderemos pensar...
Será que as portas da vida que realmente interessam se abrem mais facilmente que as outras? Ou será necessário abrir portas ao pontapé?

Acredito que em muitas delas, será importante conhecer os seus segredos e as suas manias. Noutras, ser sabedor da palavra-passe... Outros casos em que o melhor será tocar à campainha (especialmente se a casa não for nossa, eheheh)
Ou então, não perder a chave...

Bem, de uma coisa tenho a certeza: é necessário saber abrir portas sozinha!

Sejam elas quais forem!

imagem daqui

2 comentários:

momentU disse...

... e às vezes é mais difícil reunir coragem para abrir determinadas portas do que para fechar outras.

mimanora disse...

É preciso mesmo abrir as portas, mesmo que seja ao pontapé como dizes, cada uma é diferente da outra, mas quando tiveres de as deixar não as feches, deixa-as encostadas ;)
Beijinho